Minhas Imagens

Minhas Imagens
Sol dos Orixás

sábado, 10 de agosto de 2013

Recomeço...


Recebi pedidos de ex-alunos, colegas e amigos (as) cobrando a reativação do blog. É muito gratificante ver meu trabalho reconhecido, mas o melhor mesmo foi perceber que o interesse dos brasileiros pela história do nosso país aumentou. A história do Brasil, graças a Deus, ultrapassou a fronteira dos bancos escolares e ganhou lugar de destaque nas publicações mais vendidas do país. A internet ampliou o espaço, diminuiu as resistências e democratizou o conhecimento.


Além disso, as recentes manifestações cívicas nas ruas, a ampla divulgação no Facebook e outras redes sociais chamou a atenção para um Brasil onde a voz do povo brasileiro ecoou e vibrou pelas avenidas, ruas e praças de um Brasil real.

O gigante acordou gritavam os jovens cheios de vigor, raiva e sede de justiça. Mas, o gigante bocejou, espreguiçou e voltou a dormir? Não sei. Só a história dirá.

Porém, não há dúvida, a cidadania deu um passo à frente e o Brasil não é mais o mesmo. O grito que saiu das ruas é um aviso aos políticos e governantes que um novo tempo de cobrança e de ajuste de contas está começando e uma nova história do Brasil começa a ser escrita.

Por isso estudar o Brasil, do contexto do descobrimento aos dias atuais, será uma tarefa prazerosa, muito prazerosa.  Este será, portanto, o objetivo das minhas garimpagens pela internet, livros, revistas e pesquisas tão vastas e enriquecedoras que se tem produzido no Brasil.

Para mim, por exemplo, é impossível pensar o Brasil sem me debruçar e vasculhar as causas da formação de Portugal e sua consolidação em reino e Estado Nacional. É com o tema A Formação do Reino de Portugal que reiniciamos nosso estudo sobre o Brasil.

Isso não impede que outros temas e assuntos do Brasil e do mundo contemporâneo sejam apresentados e discutidos neste espaço. Sugestões e contribuições serão bem vindas. O objetivo deste trabalho é ampliar o círculo de amizades, é conhecer a história e debater as questões da nossa contemporaneidade.

Um abraço,

Profª Tânia










Nenhum comentário:

Postar um comentário